Plástica Tocantins Plástica São Paulo Plástica Paraná Plástica Pará Plástica Maranhão Plástica Mato Grosso do Sul Plástica Bahia Plástica Alagoas Plástica Acre Plástica Espirito Santo Plástica Piauí Plástica Mato Grosso Plástica Ceará Plástica Minas Portal Plástica Sergipe Portal Plástica Pernambuco Portal Plástica Rio Plástica Santa Catarina Plástica Rondônia Plástica Paraiba Plástica Rio Grande do Sul Plástica Amazonas Plástica Amapá Plástica Rio Grande do Norte Portal Plástica Goiás Plástica Roraima Plástica Brasília

PÁLPEBRAS - INFERIORES (INTERNA)


Como elementos-chave na expressão facial, os olhos transmitem emoções, vitalidade e idade. Ao longo do tempo, passam por mudanças que geralmente fazem a pessoa parecer triste ou cansada. Com o processo de envelhecimento, as pálpebras podem ficar flácidas que, associadas às bolsas e inchaços, fazem com que o indivíduo pareça mais velho do que realmente é. A blefaroplastia pode ajudar a renovar e revitalizar o rosto com a diminuição da flacidez palpebral, dos excedentes de pele e das bolsas que se formam sob os olhos.

3D Animation

Blefaroplastia na porção Interna das pálpebras inferiores – Introdução

Como elementos-chave na expressão facial, os olhos transmitem emoções, vitalidade e idade. Ao longo do tempo, passam por mudanças que geralmente fazem a pessoa parecer triste ou cansada. Com o processo de envelhecimento, as pálpebras podem ficar flácidas que, associadas às bolsas e inchaços, fazem com que o indivíduo pareça mais velho do que realmente é. A blefaroplastia pode ajudar a renovar e revitalizar o rosto com a diminuição da flacidez palpebral, dos excedentes de pele e das bolsas que se formam sob os olhos.

Blefaroplastia na porção Interna das pálpebras inferiores

O que provoca mudanças nas pálpebras?

Antes de saber como funciona a blefaroplastia, é importante entender a estrutura das pálpebras. Assim como o resto do rosto, as pálpebras são formadas por camadas de pele, músculo e gordura. Com o tempo, a idade e os fatores ambientais, como os danos causados pelo sol, destroem a rede de sustentação da pele, que fica na derme. Consequentemente, a pele perde sua estrutura e elasticidade, e fica flácida. As camadas musculares também enfraquecem, que, com a perda de elasticidade da pele e os efeitos da gravidade, fazem as pálpebras ficarem flácidas e pesadas. Os depósitos de gordura normalmente dão às pálpebras um aspecto pesado. Entretanto, a gordura também diminui com o tempo e muda em resposta aos músculos flácidos e fracos, o que provoca inchaços e bolsas ao redor dos olhos. Embora a blefaroplastia trate esses problemas, o procedimento não corrige pés de galinha, manchas escuras sob os olhos ou sobrancelhas caídas. Nesses casos, a cirurgia das pálpebras associada a outros procedimentos pode produzir resultados melhores.

O que provoca mudanças nas pálpebras?

Como funciona a blefaroplastia na porção interna das pálpebras inferiores?

Embora existam várias técnicas diferentes para a mudança da aparência dos olhos, a técnica cirúrgica padrão normalmente envolve a remoção ou redistribuição dos depósitos de gordura, assim como a retirada do excesso de pele e músculo. As bolsas e os inchaços nas pálpebras inferiores resultam, na maioria das vezes, dos depósitos de gordura orbital salientes. Geralmente, o septo orbital mantém os depósitos de gordura no lugar. Entretanto, com o tempo, o septo perde parte de sua integridade estrutural e enfraquece, o que faz com que os depósitos de gordura fiquem caídos, criando bolsas e inchaços. A técnica transconjuntival remove e modela o excesso de gordura orbital através de uma incisão na conjuntiva. Caso você tenha um pouco de flacidez na pele, é possível remover tal excesso junto com esse método. No entanto, alguns médicos podem preferir realizar uma blefaroplastia transcutânea para tratar todas as áreas com problema nas pálpebras inferiores.

Como funciona a blefaroplastia na porção interna das pálpebras inferiores?

Preparo cirúrgico

A duração de uma blefaroplastia é de aproximadamente uma ou duas horas, dependendo da extensão do tratamento. Antes do início do procedimento, a área a ser tratada é limpa, e um anestésico será administrado. Provavelmente, será aplicada anestesia local com sedação, em que as pálpebras e as regiões próximas ficam dormentes, e você, relaxado. O médico também pode optar por administrar anestesia geral, onde você dorme durante o procedimento.

Preparo cirúrgico

Incisões

Cuidadosamente, afasta-se as pálpebras inferiores do globo ocular com um retrator para expor a conjuntiva, que é uma membrana fina que se estende na parte interna das pálpebras. Os olhos são protegidos durante o procedimento cirúrgico. O médico faz uma pequena incisão na conjuntiva guiando-se um dispositivo cauterizador por ela, deixando expostos os três depósitos de gordura orbital.

Incisões

Remoção de gordura

Para modelar a gordura orbital, o cirurgião segura cuidadosamente cada depósito de gordura com um par de hemostatos e remove qualquer excesso de gordura, diminuindo a aparência das bolsas e inchaços nas pálpebras inferiores. Após a cauterização da gordura orbital restante, o depósito de gordura é recolocado na abertura.

Remoção de Gordura

Fechamento da incisão

Após a modelagem dos depósitos de gordura, as incisões podem ser fechadas com uma ou duas suturas que podem ser absorvidas. No entanto, é comum o cirurgião não utilizar suturas e deixar a cicatrização ocorrer naturalmente.

Fechamento da incisão

Resultados da blefaroplastia na porção interna das pálpebras inferiores

Os primeiros resultados da cirurgia aparecem em algumas semanas à medida que o inchaço e os hematomas vão desaparecendo. Além de ser menos invasiva e ter uma recuperação mais rápida, um dos benefícios da técnica transconjuntival é que não há cicatriz externa aparente. Embora os resultados de uma blefaroplastia sejam duradouros, é importante lembrar que seu rosto continuará envelhecendo. No entanto, a cirurgia de pálpebras pode manter a aparência dos olhos renovada e revitalizada por muitos anos.

Recuperação da blefaroplastia na porção interna das pálpebras inferiores

Cadastre-se para receber nosso informativo por e-mail
nome:
e-mail:

 
Dr. Edmo Soeiro Mendonça
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 10152
RQE: 6467
VITÓRIA
Dr. Julio Riva Neto
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 6313
RQE: 5543
VITORIA
Dr. Renato Harckbart Carvalho
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 4584
RQE: 4536
CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM
Dr. Volmar Santos Campana Junior
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 5804
RQE: 2249
VILA VELHA
Dr. Alexandro Kenji Kimura
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 7933
RQE: 7392
VITORIA
Dr. Marcus Vinícius Rizzo Bicalho
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 3900
RQE: 5002
VILA VELHA
Dr. Murilo Muniz Boles
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 8138
RQE: 6336
VITORIA
Dr. Elias Kuster
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 4612
RQE: 3508
VILA VELHA
Dr. Luciana Aparecida De Oliveira
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 5646
RQE: 4348
VITORIA
Dr. João Passamani
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 5583
RQE: 5760
VILA VELHA
Dr. Victor Paoliello
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 4586
RQE: 7423
VITORIA
Dr. Carlos Roberto Siqueira De Souza
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 3654
RQE: 4839
VILA VELHA
Dr. Robinson Grego Goncalves
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 2516
RQE: 453
VITORIA
Dr. Wildson Peregrino Da Silva
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 6338
RQE: 2547
VITORIA
Dr. Flávio Lima Magalhaes
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 11843
RQE: 7601

Dr. Jayr Fregona Junior
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 4867
RQE: 3114
LINHARES
Dr. Lívia Gurgel Rocha De Paiva Macedo
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 10363
COLATINA
Dr. Vespasiano Lopes De Farias
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 1322
RQE: 112
SERRA
Dr. Paulo Afonso Nascimento Castelo
Cirurgião Plástico
CRM-ES: 4650
RQE: 1613
RIO DE JANEIRO
Listar Todos

Cirurgia Plástica é Com Cirurgião Plástico
Pesquisa Google
Cirurgias Plásticas
ABDOME - ABDOMINOPLASTIA CLÁSSICA ABDOME - ABDOMINOPLASTIA EM ÂNCORA ABDOME - ABDOMINOPLASTIA MINI
ABDOME - LIPOABDOMINOPLASTIA ABDOME - LIPOASPIRAÇÃO ÁCIDO HIALURÔNICO
ACNE - TRATAMENTO A LASER BIOPLASTIA BRAÇO - LIPOASPIRAÇÃO
BRAÇO - PLÁSTICA CABELO - EXPANSÃO DO COURO CABELUDO CABELO - REDUÇÃO DO COURO CABELUDO
CABELO - TRANSPLANTE CAPILAR CERATOSES CICATRIZES
CICATRIZES - TRATAMENTO A LASER CICATRIZES - TRATAMENTO CIRÚRGICO CIRURGIA CIRCUNFERENCIAL (360º)
CIRURGIA MICOGRÁFICA DE MOHS CISTOS COLÁGENO
CORPO - LIPOESCULTURA COXAS - IMPLANTE COXAS - LIFTING
COXAS - LIPOASPIRAÇÃO CRÂNIO E FACE - DEFORMIDADES CONGÊNITAS CRANIO MAXILO FACIAL
CULOTE - LIPOASPIRAÇÃO DEPILAÇÃO A LASER ESCLEROTERAPIA - REMOÇÃO DE VEIAS COM LASER
ESTRIAS - TRATAMENTO A LASER FACE - LIFITING DO TERÇO INFERIOR FACE - LIFITING DO TERÇO MÉDIO
FACE - MINILIFTING FACE - PLÁSTICA FACE - REJUVENESCIMENTO POR FIOS(RFA-ROUND BLOCK)
FISSURAS LÁBIO PALATO GLÚTEOS - LIPOASPIRAÇÃO GLÚTEOS - LIPOENXERTIA
GLÚTEOS - PRÓTESE HEMANGIOMAS HIPERIDROSE AXILAR
IMPLANTES DE BOCHECHA - MALAR LIFTING TESTA - CORONAL LIPOMAS
MAMA - IMPLANTE DE SILICONE MAMA - MAMOPLASTIA DE REDUÇÃO MAMA - MAMOPLASTIA DE REDUÇÃO VIA AXILAR
MAMA - RECONSTRUÇÃO APÓS MASTECTOMIA MAMA - SUSPENSÃO MAMA - SUSPENSÃO COM IMPLANTES
MÃOS - REJUVENESCIMENTO A LASER MÃOS - REJUVENESCIMENTO ENXERTO DE GORDURA MICRODERMOABRASÃO
NARIZ - RINOPLASTIA ABERTA NARIZ - RINOPLASTIA FECHADA NINFOPLASTIA - CIRURGIA ÍNTIMA FEMININA
NINFOPLASTIA - CIRURGIA ÍNTIMA MASCULINA OLHEIRAS - TRATAMENTO A LASER ORELHAS
ORELHAS - SEM CORTE ORTOGNÁTICAS PÁLPEBRAS - INFERIORES (EXTERNA)
PÁLPEBRAS - INFERIORES (INTERNA) PÁLPEBRAS - OCIDENTALIZAÇÃO PÁLPEBRAS - SUPERIORES
PANTURRILHA - PRÓTESE PEELING QUÍMICO MÉDIO PEELING QUÍMICO PROFUNDO
PEELING QUÍMICO SUPERFICIAL PEITORAL - GINECOMASTIA PEITORAL - PRÓTESE MASCULINA
PESCOÇO PESCOÇO - LIPOASPIRAÇÃO PROTETOR SOLAR
QUEIMADURAS - CIRURGIA REPARADORA QUEIXO - IMPLANTE PRÓTESE QUELÓIDES - TRATAMENTO A LASER
QUELÓIDES - TRATAMENTO CIRÚRGICO REJUVENESCIMENTO DE PELE COM LASER RUGAS - TRATAMENTO A LASER
SINAIS - RETIRADA SOBRANCELHAS - IMPLANTE CAPILAR TESTA - LIFITING
TESTA - LIFITING COM ENDOSCÓPIO TORSOPLASTIA TRANSFERÊNCIA DE GORDURA
TRATAMENTO DE RUGAS TRATAMENTO DE TELEANGIECTASIAS TUMORES DE PELE - TRATAMENTO CIRÚRGICO
VERRUGAS
Movimento Nacional de Valorização da Cirurgia Plástica